domingo, 23 de abril de 2017

Ontem, DIA MUNDIAL DO LIVRO



"Acredito mesmo que se há forma de defender a liberdade é mesmo promover a leitura, porque a leitura liberta e permite-nos exprimir livremente aquilo que cada um escreve, qualquer que seja a língua em que escreve."
Primeiro Ministro António Costa

Ministro da Educação e aluno - ler é para todos, inclusão 
Homenageando a pronúncia do norte, o Ministro Tiago Bradão, optou por um trava línguas "O rato roeu a rolha"

"A literatura e o desporto fazem um homem para a vida"
Nuno Delgado

Projeto PNL, aí vem mais uma década 2017-2027
"LER É PODER"
"LER TODAS AS PALAVRAS DO MUNDO"
"Alargar o publico Alvo;
Incentivar a prática da escrita;
Valorizar todas as formas de ler;
Ler sempre e em toda a parte;
Reforçar o trabalho colaborativo em BM e BE ...."

Dr.a Teresa Calçada 




quarta-feira, 22 de março de 2017

Hoje, DIA MUNDIAL DA ÁGUA

HOJE, 22 DE MARÇO, O DIA MUNDIAL DA ÁGUA


TEMA 2017 - Desperdício de Água

A data visa alertar as populações e os governos para a urgente necessidade de preservação e poupança deste recurso natural tão valioso.
A gestão dos recursos de água tem impacto em vários setores, nomeadamente na saúde, produção de alimentos, energia, abastecimento doméstico e sanitário, indústria e sustentabilidade ambiental.
As alterações climáticas provocam graves impactos nos recursos de água. Alterações atmosféricas como tempestades, períodos de seca, chuva e frio afetam a quantidade de água disponível e colocam em risco os ecossistemas que asseguram a qualidade da água.


ORIGEM DA DATA
A comemoração surgiu no âmbito da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento e Ambiente que decorreu na cidade brasileira do Rio de Janeiro, em 1992. Os países foram convidados a celebrar o Dia Mundial da Água e a implementar medidas com vista à poupança deste recurso, promovendo a sua sustentabilidade.

SUGESTÕES PARA HOJE, DIA MUNDIAL DA ÁGUA


TÍTULO: A menina gotinha de água

AUTOR: Papiniano Carlos 
EDITORA: Porto Editora
SINOPSE
Esta é a história de uma gotinha de água e do percurso que realiza ao longo da sua vida. A gotinha vive no mar juntamente com as suas irmãs gotinhas e com elas faz grandes viagens, sofrendo sempre várias transformações. A gotinha transforma-se em chuva, em fonte, em ribeiro, em rio, regressando depois a casa. É o ciclo da água relatado de uma forma poética e didática.


A coleção Educação Literária reúne obras de leitura obrigatória e recomendada no Ensino Básico e Ensino Secundário e referenciadas no Plano Nacional de Leitura.




TÍTULO: Ciclo da Água
AUTOR: Cristina Quental e Mariana Magalhães; Ilustração: Sandra Serra 
EDITORA: Gailivro
SINOPSE
EXCERTOS
— Bom dia! — saudou a professora Tita.
— Bom dia? Com esta chuva toda?! — lamentou-se a Leonor.
— Porque está a chover tanto? Não percebo como! — disse o Mário.
— Pois é, ainda ontem estava sol… — atalhou a Sofia.
E tu, sabes de onde vem a chuva? E sabes porque é que ela é tão importante?
Vem com a professora Tita e os alunos descobrir o ciclo da água, saber de onde vem, para onde vai, para que serve e porque é tão importante para todos.
No final do livro, diverte-te com as lengalengas, a canção e a peça de teatro.





TÍTULO: A Fantástica História de Florzinha Gota de Água
AUTOR: José Carlos de Vasconcelos 
EDITORA: Gradiva
SINOPSE: 
Uma das tentações mais persistentes de quem se lança a escrever para crianças (caso do jornalista e director do Jornal de Letras, José Carlos de Vasconcelos) é condensar a sua visão do mundo num discurso cumulativo e pleno de espírito demissão, mas que tem pouco a ver com o público a quem se dirige. A «fantástica história» da gota de água chamada Florzinha que sai da sua rosa para partir «à descoberta do desconhecido» falha em originalidade o que compensa em lirismo tardio: «Esteve no copo de cristal dos senhores do universo e no cantil de alumínio dos mineiros da mina, dos pescadores no mar, dos soldados na batalha. Foi pérola,foi gota de suor, foi lágrima,Florzinha.» Sim,e depois?




TÍTULO: Conversas do Tiago e da Sara - A Água
AUTOR: Dorindo Carvalho 
EDITORA: Instituto Piaget
SINOPSE: 
As Conversas do Tiago e da Sara são inspiradas na ideia de que aprender pode tornar-se uma alegria, e de que existe em todos os domínios do conhecimento, ideias-chave ou noções de base, apaixonantes de descobrir, úteis de conhecer e fáceis de utilizar.

terça-feira, 14 de março de 2017

"Todos os pais são diferentes" de Teresa Ramos


Mais opções para o Dia do Pai












Algumas sugestões para o Dia do Pai


Sinopse
Este é um livro para pais de todas as idades, como agradecimento por todas aquelas pequenas atitudes de carinho ao longo dos anos. Os pais são fantásticos. São grandes protectores e defensores. Dão abraços, constroem prateleiras, cozinham, levam os filhos às cavalitas, brindam ao melhor clube do mundo e sofrem com os problemas dos jovens. E, por fim, tornam-se amigos para a vida. Os pais são mesmo especiais...!
Título: Para um Pai muito especial
Autor(a): Pam Brown
Editora: Editorial Estampa

Excerto:
«O meu pai podia ser um doutor ou um atleta, podia ser um dançarino ou um grande cantor. Mas é o MEU pai, que há-de gostar sempre de mim
Título: O Meu Pai
Autor(a): Anthony Browne
Editora: Editorial Caminho





Sinopse:
Quando dissemos a nossa primeira palavra, o Pai foi logo contar a novidade a toda a gente que conhecia (e era a palavra «Mamã»)! 
Título: O Pai e Eu
Autor(a): Maria Teresa Maia Gonzalez
Editora: Edições Paulinas

Sinopse:
Falar do nosso pai ou da nossa mãe, sobretudo quando ainda somos crianças ou adolescentes, é um acto de afecto. Mas também pode ser um gesto de ternura, em que se mistura o amor filial e o humor. Este livro é um óptimo exemplo de tudo isto. E é também um presente inesquecível.
Título: Pai, Querido Pai! Com é o teu?
Autor(a): Luísa Ducla Soares
Editora: Terramar

Sinopse:
Contar carneiros não dá sono ao Pequeno Panda. Por isso o pai diz-lhe que conte vacas, porcos ou elefantes... Desdobrando a última página, descobrimos quantos animais conta o Pequeno Panda. Mas — adormece? Michael Foreman é um conhecido ilustrador britânico. Em 1982 ganhou a Medalha Kate Greenaway da Library Associationda Grã-Bretanha.
Título: Pai, não consigo dormir
Autor(a):Michael Foreman
Editora: Caminho

 Sinopse:
Um pai que passa a vida a ler o jornal não é lá muito divertido. E se algum filho atrevido desejar, com a força que só a infância tem, qualquer outra coisa – dois peixinhos vermelhos, por exemplo – o pai pode, de súbito, tornar-se moeda de troca. Que não se deixem perturbar os espíritos mais politicamente correctos: nesta história, a mãe dá por falta do marido-leitor e obriga o filho e a irmã a uma aventurosa viagem que recuperará o pai distraído, sem que este chegue a dar pelo facto de ter percorrido várias casas, sendo em cada uma objecto de diferentes afectos.
Título: O dia em que troquei o meu Pai por dois peixinhos vermelhos
Autor(a): Neil GaimanDave McKean (Ilustrador)
Editora: Vitamina BD
Autor(a): Michael Foreman
Editora: Caminho

Vem aí o Dia do Pai...

Existem duas histórias sobre a origem do Dia do Pai: 

Talvez, há mais de 4 mil anos, na Babilônia, um jovem chamado Elmesu pegou num pedaço de argila e moldou um pequeno cartão para oferecer ao seu pai onde escreveu uma mensagem desejando-lhe sorte, saúde e longa vida.

Sonora Luise e
William Jackson Smart
Mas só em 1909, nos Estados Unidos, Sonora Luise resolveu criar um dia dedicado aos pais, motivada pela admiração que sentia pelo seu pai, William Jackson Smart, que era militar. 
 

Em 1972, o presidente americano Richard Nixon oficializou o "Dia do Pai" (Father's Day). 

Seguindo a tradição é comemorado no terceiro domingo de Junho.
Em Portugal é comemorado no dia 19 de Março, dia em que se celebra o dia de São José, santo popular da igreja católica.
Além de Portugal, também celebram o Dia do Pai no dia 19 de março Espanha, Itália, Andorra, Bolívia, Honduras e Liechstenstein.

(Inf. recolhida em: http://pt.wikipedia.org, http://www.junior.te.pt e http://www.calendarr.com)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Muito antes das mensagens por telemóvel ...

Os Lenços de Amor ou de Namorados têm como origem os lenços senhoris dos séculos XVII e XVIII e foram posteriormente adaptados pelas mulheres do povo. Numa primeira fase, começaram a ser usados como adereço do traje feminino passando mais tarde a peça integrante do enxoval que a moça começava a preparar na infância. “Entre lençóis e atoalhados era comum bordar-se um lenço subordinado ao tema do amor “depois de concluído era usado pela autora na bainha da saia ou no bolso do avental e mais tarde seria oferecido ao rapaz por ela escolhido.

Desde sempre, os portugueses partiram: ou para ganhar o sustento noutro lugar, ou para a guerra, ou para embarcarem em navios na aventura da Expansão
Na hora da despedida, em certas regiões do norte de Portugal, era “obrigatório” a rapariga apaixonada oferecer um lenço ao namorado. Lenço bordado por ela, com uma quadra da sua autoria. Se bordava com erros ortográficos, isso era pormenor insignificante, o que contava - e conta - são os sentimentos.


“Os lenços eram uma espécie de anéis de noivado, na medida em que o seu uso por parte do homem significava aceitar o compromisso com a moça que o bordou. Eram uma declaração de amor que as “moças em idade casadoira” ofereciam como uma prenda entre namorados. Este, por sua vez, para assumir publicamente o compromisso, usava-o por cima do casaco domingueiro, no bolso, ou ao pescoço”.
(Para mais informação Consulta o site: http://lencosdenamorados.no.sapo)












Os símbolos mais comuns que encontramos nos Lenços estão directa ou indirectamente ligados ao seu tema chave: o amor. Corações, motivos florais, chaves, pássaros e ramos. “Encontramos também silvas que são adornos bordados em forma de cercadura que imitam motivos florais e são também utilizadas para as orlas dos lenços”.